19.8 C
Taboão da Serra
sexta-feira, abril 16, 2021
Início Taboão da Serra 'Não temos saída a não ser avançar nas medidas de restrição', diz...

'Não temos saída a não ser avançar nas medidas de restrição', diz secretário municipal da Saúde de SP


Edson Aparecido defendeu necessidade de endurecimento da fase vermelha para reduzir a circulação de pessoas nas ruas e conter o avanço da Covid. Capital paulista chegou à marca de 19.300 mortes por Covid-19 nesta quarta-feira (10), superando os 19.207 confirmados no Rio de Janeiro. ‘Não temos saída a não ser avançar nas medidas de restrição’, diz secretário municipal da Saúde de SP
O secretário municipal da Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, defendeu nesta quinta-feira (11) regras mais rígidas de circulação na cidade para tentar conter o avanço da pandemia.
“Não temos saída a não ser avançar nas medidas de restrição. Não há outra alternativa”, disse o secretário em entrevista ao Bom Dia São Paulo.
Desde o dia 6 de março a capital e demais cidades do estado estão na fase vermelha, a mais restritiva do plano estadual de flexibilização econômica.
Pela regra, apenas serviços essenciais, além de escolas e atividades religiosas, estão autorizados a operar. Apesar das medidas, o sistema de saúde da capital enfrenta sobrecarga e risco de colapso.
A expectativa era a de que o governo de São Paulo divulgasse nesta quarta (10) restrições mais rígidas para o funcionamento dos setores autorizados em todo o estado. Entretanto, a gestão de João Doria (PSDB) alegou que ainda avalia os dados e o anúncio deve ser feito até sexta (12).
A cidade de São Paulo tem 250 pacientes na fila de espera por leito de UTI. A ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) chegou a 83% em hospitais públicos e particulares da capital paulista. A taxa é a maior desde início da pandemia.
Aparecido também afirmou que não há registro de mortes à espera de leito de UTI na cidade de SP, como já ocorre na Grande SP.
Secretário disse que prefeitura inaugurou o Hospital Cantareira, na Zona Norte, alugou mais 50 respiradores para abrir novos leitos de UTI no Hospital de Parelheiros, na Zona Sul, nos próximos dias, e vai começar a transferir pacientes diagnosticados com outras doenças para leitos alugados na rede particular.
“Todo esse esforço é absolutamente insuficiente se as pessoas não perceberem que estamos em um momento trágico, dramático, precisam circular menos na cidade para que o vírus não se dissemine com a velocidade que está se disseminando e para que a gente consiga tratar as pessoas que precisam ser tratadas”, disse ele.
Dados da capital
Nesta quarta-feira (10), a cidade de São Paulo chegou à marca de 19.300 mortes por Covid-19, superando o total de mortes registrado no Rio de Janeiro e tornando-se a cidade com mais óbitos provocados pelo coronavírus no país.
Também nesta quarta, a média móvel de mortes no estado de São Paulo passou de 300 primeira vez (leia mais abaixo).
A cidade do Rio de Janeiro registrou 19.207 mortes provocadas pela doença, segundo atualização oficial da prefeitura da cidade, publicada às 18h desta quarta.
A capital paulista tem mais de 12 milhões de habitantes, quase o dobro dos 6,7 milhões do Rio, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Além da capital, o estado de São Paulo também registrou altos números de óbitos pela doença: nesta quarta, a média diária de mortes por Covid-19 no estado foi de 313 óbitos, recorde pelo terceiro dia seguido.
A taxa média de ocupação de UTIs em todo o estado, com 83%, também foi a maior de toda a pandemia, e o número de pacientes internados chegou a 20,8 mil, outro recorde (leia mais abaixo).
Recordes no estado de SP
Coveiros abrem novas covas para vítimas da Covid-19 em cemitério de São Paulo no dia 9 de março.
Carla Carniel/Reuters
São Paulo teve nesta quarta a maior média móvel de mortes de toda a pandemia. O índice superou o recorde de agosto de 2020, quando o índice chegou a 289 mortes diárias, pelo terceiro dia seguido.
A média móvel, que leva em consideração os registros dos últimos sete dias e minimiza as diferenças das notificações, foi de 312 óbitos por dia nesta quarta. É a primeira vez que o índice supera 300 mortes. O número representa um aumento de 34% em relação ao verificado há 14 dias, o que, segundo os especialistas, indica tendência de alta.
O estado registrou também 517 novas mortes por Covid-19 nas últimas 24h, além de 16.058 novos casos confirmados da doença.
A média móvel de casos foi de 11.564 casos por dia nesta quarta-feira. O número é 24% maior do que o verificado 14 dias atrás, o representa uma tendência de alta.
Além disso, a taxa de ocupação de UTIs do estado de São Paulo também alcançou seu maior índice histórico, com 82% dos leitos ocupados. Na Grande São Paulo, a taxa média é de 83,6%.
O número de pacientes internados bateu recordes todos os dias desde 27 de fevereiro: naquela data, o estado tinha 15,5 mil pacientes em leitos de internação, valor que já constituía um recorde.
Nesta quarta-feira, o total chegou a 20.876 pacientes internados, sendo 11.692 em enfermaria e 9.184 em unidades de terapia intensiva (UTI).
Mortes na fila de espera
Subiu para 38 o número de pacientes com Covid-19 que morreram na fila de espera por leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no estado de São Paulo nestes primeiros dez dias de março, de acordo com levantamento feito pelo G1 e a TV Globo nesta quarta-feira (10).
As mortes de pacientes que aguardavam liberação de leitos intensivos ocorreram em cidades localizadas na Grande São Paulo e no interior do estado.
Nesta quarta-feira (10), foram computadas uma morte em Sumaré, na região de Campinas, uma em Francisco Morato, uma em Taboão da Serra, uma em Ribeirão Pires, e uma em Diadema, na Grande São Paulo.
Em praticamente todos os casos de mortes na fila de espera, as prefeituras ou os hospitais responsáveis pelos pacientes disseram que vagas de UTI haviam sido solicitadas por meio do sistema estadual de regulação de leitos, o Cross, mas que os pedidos não foram atendidos – seja por indisponibilidade de vagas, seja por impossibilidade de fazer a transferência de pacientes em estado grave.
A Secretaria da Saúde disse na terça-feira que não negou leitos e que as transferências não ocorreram porque os pacientes não puderem ser removidos com segurança devido ao quadro de saúde instável
Vídeos: Tudo sobre São Paulo e região Metropolitana

- Advertisment -

Mais notícias

Shopping Taboão reabre no próximo domingo seguindo todas as medidas de segurança contra covid-19

Após o decreto do Governo de São Paulo determinando o fim da fase emergencial, o Shopping Taboão reabre ao público a partir do próximo...

Ney Santos inicia pagamento do Bolsa Cidadã Embuense para mais de 5 mil famílias

O prefeito Ney Santos (Republicanos) iniciou o pagamento do “Bolsa Cidadã Embuense” para mais de 5 mil famílias. O programa é destinado para a...

Taboão da Serra vacina maiores de 65 anos contra a covid-19 a partir de quinta-feira, 22

Vera Sampaio Após aplicar mais de 42 mil doses da vacina contra a Covid-19, a Prefeitura de Taboão da Serra anuncia a vacinação de maiores...

Taboão da Serra: Entregadores protestam por melhores condições de trabalho nos aplicativos

Entregadores de serviços de delivery de Taboão da Serra e região realizaram no início da tarde desta sexta-feira, dia 16, uma manifestação para pedir...