26.7 C
Taboão da Serra
quinta-feira, março 4, 2021
Início Taboão da Serra Bombeiros resgatam dois últimos corpos soterrados em Embu das Artes

Bombeiros resgatam dois últimos corpos soterrados em Embu das Artes

Os bombeiros resgataram na noite de quarta-feira (30) os últimos dois corpos que estavam na casa que desabou na terça-feira (29), em Embu das Artes, na Grande São Paulo. Avó e neto foram soterrados por uma avalanche de lama e escombros, que também tirou a vida de outras quatro pessoas da mesma família. As informações são do G1.

Eram quase 21h quando foram resgatados os corpos de Dona Zenaide Gomes, de 55 anos, e do neto dela, Pierre de 1 ano e cinco meses. Ao final dos trabalhos, houve um minuto de silêncio.

Foram quase 24 horas ininterruptas nas buscas pela família num local de difícil acesso. A casa foi soterrada por um barranco que veio abaixo e levou outras três casas. A região onde eles moravam já tinha sido identificada como de risco pelo instituto geológico do estado.

Seis pessoas da mesma família morreram: Jaqueline Gomes, de 25 anos, sobrinha da dona Zenaide, e três crianças, Darlei de 7 anos, Ryan de 8 meses e Éverton, que completaria 5 anos na quarta-feira (30).

A família sabia que convivia com o perigo, mas não tinha condições de sair do local, de acordo com Arlete Rosa de Moraes, ex-cunhada da Zenaide. “Há 2 meses a filha da Zenaide a Gislaine entrou em desespero que ela falou que a casa da mãe estava correndo o risco de desabar ela não sabia como fazer para tirar a mãe dela daí. É como se fosse uma tragédia anunciada.”

A comunidade que fica no Jardim do Colégio em Embu das Artes está entre um dos 18 pontos de risco na cidade. O bairro está em um relatório técnico de um mapeamento feito pela Defesa Civil e entregue à Prefeitura este mês que apontou que só ali há 91 casas com alto risco de inundar ou desmoronar.

Continua após a publicidade

Depois da tragédia, pelo menos trinta casas foram interditadas. Seis podem desmoronar a qualquer momento. O pedreiro José dos Santos vive esse drama no bairro há 39 anos.

“Eu nunca vi não (a Prefeitura dando suporte para a população) porque é assim: que nem tem esse córrego, a Prefeitura tem que cuidar dele. Esse córrego aqui ninguém nunca cuidou dele, faz casa em cima do rio e a Prefeitura sabe e vê e finge que não vê. Então é coisas que não podem acontecer. O rio é para passar água e não para passar casa em cima, concorda comigo?”

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Mais notícias

Sodiê Doces de Taboão da Serra comemora Dia da Mulher com sabores contrastantes

Sabores que se contrastam, Alpino e Abacaxi, foram os escolhidos pela Sodiê Doces Taboão da Serra para celebrar o Dia Internacional da Mulher. Durante...

Poupatempo de Taboão da Serra fecha temporariamente a partir deste sábado

  A partir deste sábado, dia 6 de março, as 82 unidades do Poupatempo, inclusive o posto de Taboão da Serra,  ficarão fechadas, devido à...

Raya e o Último Dragão é a estreia da semana no Shopping Taboão

Dois filmes estreiam nesta quinta-feira, dia 4, no cinema Multiplex Shopping Taboão, Raya e o Último Dragão e a produção nacional, Lucicreide Vai Pra...

Via Rápida Emprego abre 100 vagas para cursos de qualificação profissional em Juquitiba

O programa Via Rápida Emprego, do Governo do Estado de São Paulo, está com 100 vagas abertas em Juquitiba para cursos profissionalizantes. As inscrições...