17.9 C
Taboão da Serra
terça-feira, abril 13, 2021
Início Economia Renda Cidadã não combina com aumento de impostos

Renda Cidadã não combina com aumento de impostos

Tem-se visto nos últimos dias análises de economistas e jornalistas, para os quais o governo poderia resolver, mediante elevação da carga tributária, o impasse em que se encontra o financiamento do programa Renda Cidadã. Há até quem aponte a fonte, que seria a CPMF. Na noite de segunda-feira, 5, após participar de jantar na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o senador Renan Calheiros (MDB-AL) defendeu medidas na área do Imposto de Renda para viabilizar o programa.

Acontece que aumentar impostos é uma saída ineficaz para o caso. Ela valeu por 28 anos, entre a Constituição de 1988 e a aprovação do teto de gastos pela emenda constitucional nº 95, em 2016. Antes, a solução para aumentar despesas, inclusive as decorrentes da própria Carta Magna, era elevar a carga tributária ou recorrer a aumento da dívida pública. Isso é passado.

Agora, a lógica é outra. O ajuste se dá pelo lado da despesa e não da receita. Assim, para viabilizar a cobertura dos gastos adicionais do Renda Cidadã, estimados em 30 bilhões de reais em 2021, será preciso efetuar cortes no Orçamento, visando a abrir o correspondente espaço orçamentário em favor do programa. 

 

A saída racional, proposta pelo Ministério da Economia, é reduzir ou eliminar programas sociais menos eficazes e mal focalizados. Seriam os casos, como vimos, do abono salarial, do salário família e do seguro defeso. Acontece que o presidente Jair Bolsonaro, que deseja o bônus popular do programa, mas não o ônus político da redução de outros gastos, rejeitou liminarmente a ideia.

Continua após a publicidade

Poderia haver uma surpresa. O ministro Paulo Guedes e o senador Márcio Bittar obrariam um milagre, apontando a saída que ninguém encontrou até agora, sem recorrer a barbaridades como a de dar um calote nos detentores de crédito derivados de precatórios. 

Se a solução miraculosa não aparecer, existem duas outras saídas;

1. Bolsonaro recuar, aceitando a proposta original de seu ministro da Economia. Seria a melhor saída;

2. O governo propor a flexibilização do teto de gasto, considerando isento do limite o programa Renda Cidadã. Seria a pior saída. 

De fato, ao quebrar a âncora fiscal, que é o teto, o Congresso provavelmente introduziria outras exceções. O país poderia caminhar rapidamente para a insustentabilidade da dívida pública, o que provocaria queda de confiança, depreciação cambial, inflação, aumento de juros, redução do potencial de crescimento do PIB, da renda e do emprego. A pobreza e a desigualdade aumentariam. 

Se pensar apenas na eleição, Bolsonaro optaria pela flexibilização. O efeito político poderia ser, todavia, o oposto do que ela almeja. Em vez de aumento de popularidade, colheria o ambiente que tornaria inviável seu projeto de reeleger-se em 2022.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Mais notícias

Taboão: UPA Akira Tada apresenta queda no número de internações pela covid-19 e fecha segunda-feira sem óbitos

A UPA Akira Tada, unidade de referência no atendimento de pacientes da covid-19 em Taboão da Serra, vem apresentando uma queda no número de...

Prefeitura de Taboão da Serra inicia série de vídeos informativos com a prestação de contas dos 100 dias da nova administração

Renata Gomes No sábado, dia 10, completou 100 dias da nova Administração da Prefeitura de Taboão da Serra. Durante essa semana, serão divulgados vídeos informativos...

Prefeito Ayres Scorsatto e vice-prefeito José Belarmino são vacinados contra a covid-19 em Juquitiba

O prefeito de Juquitiba, Ayres Scorsatto e o vice-prefeito José Belarmino, de 67 anos, receberam na tarde desta segunda feira, dia 12, a vacina...

Secretaria de Cultura de Taboão da Serra realiza cursos de forma remota

Ana Rodrigues A Secretaria de Cultura de Taboão da Serra está realizando cursos de forma remota, nas modalidades de jazz, ballet oficina, ballet formação, danças...