18 C
Taboão da Serra
terça-feira, abril 13, 2021
Início Economia A tempestade está chegando

A tempestade está chegando

O preço do quilo do arroz subiu 40% neste ano. O do feijão, 35%. A lata de óleo de soja, custa agora 50% a mais do que no início do ano. O litro do leite, 30% a mais. O nome disso é inflação. Só que se você olhar os indicadores oficiais, essa alta extraordinária de preços de alimentos está dissipada pela queda de outros custos, especialmente nos serviços. Mesmo assim, em função dos alimentos a inflação oficial que até julho todos apostavam que ficaria abaixo dos 2% deve fechar 2020 entre 2,5% e 3%. 

Para o mundos dos negócios, está tudo bem. A meta da inflação deste ano é de  4% e para 2021 de 3,75%. Há uma folga, portanto. Mas as pessoas não vivem no mundo dos negócios. 

Na vida real, as pessoas estão gastando mais para comer e para a imensa parte da população brasileira, comida ainda é item mais importante dos custos. O outro custo, o transporte coletivo, vai subir de preço assim que as eleições terminarem, porque com o real desvalorizado, ficou mais caro importar óleo diesel. O real foi a moeda que mais desvalorizou no mundo e os investidores estrangeiros estão fugindo do Brasil pela instabilidade política.

Mas as notícias ruins não acabaram. O auxílio emergencial, que foi reduzido neste mês de R$ 600 para R$ 300, acaba em dezembro. O governo está prometendo criar um novo programa, mas não se engane. Esse novo projeto não vai incluir todo. Entre 10 e 20 milhões de pessoas que recebiam o Auxílio emergencial vão ficar sem um vintém a partir de janeiro.

Com o fim do auxílio, muita gente vai voltar a buscar emprego. Só que não há. Oficialmente, Brasil tem 14 milhões de desempregados, mas esse dado é subdimensionado. Há 12 milhões de trabalhadores recebendo salários com desconto em roca da redução da jornada de salário. Esse período de salários com desconto também vai acabar, e muitas empresas vão demitir em massa.

O cenário pós-eleição é de uma tempestade: preços alimentos subindo, fim do Auxílio Emergencial e mais desemprego. Isso num cenário no qual muita finge que a pandemia de Covid-19 acabou, mas ela continua matando 20 mil pessoas por mês.

O dinheiro que o governo jogou na economia neste ano impediu o Brasil de afundar numa crise histórica. O Auxílio Emergencial salvou milhões de famílias da fome e empresas da falência. Mas é como se fosse um analgésico poderoso que tirasse a dor, mas não combatesse a causa do sofrimento. Quando o efeito da droga acabar, a dor da recessão, da inflação de alimentos, da falta de emprego, da desconfiança dos investidores e das mortes Covid-19 volta para cobrar seu preço.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Mais notícias

Taboão da Serra já imunizou mais de 24 mil moradores contra a Covid-19

Matheus Herbert, da Gazeta de S. Paulo Taboão da Serra aplicou 35.764 doses de vacina contra o coronavírus. De acordo com a prefeitura, receberam a...

Doenças Cardiovasculares: o que você precisa saber

Conhecida popularmente por “problemas cardíacos” ou “doenças do coração”, a doença cardíaca é um termo abrangente no que se diz respeito a diversos problemas...

Vans apresenta a nova linha “Skate Classics”: Feita especificamente para o Skate

A Vans, marca original de tênis, vestuário e acessórios dos esportes de ação e ícone global da expressão criativa, orgulhosamente apresenta os inéditos Skate...

GCM e Bombeiros resgatam cachorro que caiu no córrego em Taboão da Serra

Em meio a tantas notícias ruins, devido ao agravamento da pandemia, ainda existe espaço para a solidariedade. Na tarde desta terça-feira, dia 13, um...