27.9 C
Taboão da Serra
sábado, outubro 23, 2021
Início Política Aprovação do novo ministro do Supremo são favas contadas no Senado

Aprovação do novo ministro do Supremo são favas contadas no Senado

Está na Constituição: para que possa ser nomeado ministro do Supremo Tribunal Federal, exige-se do escolhido pelo presidente da República que tenha mais de 35 anos e menos de 75 anos de idade, notável saber jurídico e reputação ilibada. Ao Senado, caberá sabatiná-lo e aprovar ou não o seu nome.

Como se vê, as exigências são poucas, mas ainda assim relevantes. Notável saber jurídico é o filtro mais severo, ou deveria ser se a sabatina fosse feita com o máximo rigor como é, por exemplo, nos Estados Unidos. Ali também uma pequena mancha na reputação do nomeado pode desqualificá-lo para sempre.

Aqui, dos atuais 11 ministros do Supremo, um foi reprovado duas vezes em concurso para juiz; outro ganhou a toga por ser amigo da mulher do presidente que o indicou; um terceiro contou com a ajuda de uma empresa que lhe abriu as portas dos senadores; e um quarto acrescentou ao currículo um título que nunca teve.

O Senado começou a funcionar em 1826, e o Supremo três anos depois ainda no tempo do Império. Desde então, apenas cinco ministros tiveram seus nomes rejeitados – todos no governo do marechal Floriano Peixoto (1891-94), que sucedeu ao marechal Deodoro da Fonseca, líder do golpe que proclamou a República.

Nada foi revelado até agora que possa tisnar a reputação ilibada de Kássio Nunes Marques, nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro para a vaga do ministro Celso de Mello. Nem mesmo o fato de ele ter empregado sua mulher em gabinetes de senadores desde que trocou o Piauí pelo Distrito Federal, onde é desembargador.

Diante dos precedentes abertos, dele não se cobrará “notável saber jurídico”, o que todo mundo sabe o que é, mas não sabe definir com precisão. E se sabe, não interessa. Só interessa o que os senadores entendam como tal. A mesma coisa vale para “reputação ilibada”, tanto mais em uma Casa de reputações relativas.

O novo ministro já bebeu tubaína com Bolsonaro, o que o próprio presidente revelou como prova da intimidade entre os dois. Na semana passada, acompanhado de Bolsonaro, jantou na casa do ministro Gilmar Mendes. Ontem à noite, comeu pizza, outra vez acompanhado de Bolsonaro, na casa do ministro Dias Toffoli.

De modo que não enfrentará a menor dificuldade para sobreviver com honra à sabatina no Senado e ser bem acolhido por seus futuros colegas no Supremo.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Mais notícias

Oito cidades da Grande SP adiam aplicação da dose de reforço contra a Covid-19 após impasse sobre marca da vacina

Motivo é a divergência entre os governos federal e estadual sobre qual imunizante deve ser aplicado como terceira...

Oito cidades da Grande SP mantêm vacinação contra Covid-19 no feriado da Independência

Barueri, Embu das Artes, Francisco Morato, Guararema, Itaquaquecetuba, Santana de Parnaíba, Santo André e São Caetano do Sul...

Vias da cidade de SP e rodovias registram congestionamento na véspera do feriado de 7 de Setembro

A Artesp prevê cerca de 5,1 milhões de veículos nas principais estradas que passam pela capital paulista. Trânsito...

Princesa das tintas, conheça a Syrah

A uva Syrah é tida como uma das castas mais antigas que existem. Marco Antonio Carbonari explica que,...