20.6 C
Taboão da Serra
terça-feira, novembro 24, 2020
Início Economia A carta branca de Paulo Guedes a Renan Calheiros

A carta branca de Paulo Guedes a Renan Calheiros

Um nome que estava esquecido em torno das articulações pela agenda econômica do país está de volta. Renan Calheiros (MDB-AL), ex-presidente do Senado, assumiu as rédeas para aplainar as relações entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em briga aberta pelo protagonismo do andamento das reformas estruturais. Há duas semanas, Calheiros, junto à senadora Kátia Abreu (MDB-TO), procurou o ministro para pedir seu aval para estreitar as relações com Maia. Os emedebistas receberam carta branca de Guedes para procurar Rodrigo Maia e articular um encontro entre os dois. Maia aceitou o convite para um jantar, feito por Renan Calheiros, na casa do ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU) nesta segunda-feira, 5. A agenda dos principais envolvidos no imbróglio envolvendo o Renda Cidadã, a reforma tributária e o teto de gastos está agitada no início desta semana.

Relator do Orçamento no Senado, Márcio Bittar (MDB-AC) encontrou-se com o presidente Jair Bolsonaro pela manhã, em uma reunião com Maia no Palácio do Planalto. O bate-papo foi arquitetado para tentar emplacar uma alternativa de recursos, dentro dos ditames de responsabilidade fiscal, para o pagamento do programa social desejado por Bolsonaro. O problema, é claro, seria a ausência de diálogo com o principal responsável pela agenda do país, por isso o aceite de Maia ao convite de Calheiros para o jantar com o ministro da Economia. Guedes e Maia vêm se bicando há tempos e as relações passam por altos e baixos. “O presidente da Câmara e o chefe da Economia não podem brigar, é uma relação de perde-perde”, diz o senador Renan Calheiros a VEJA. “Precisamos dar vazão à agenda de cortes de gastos e de reformas”, completa ele.

Depois de deixar a reunião com os presidentes da República e da Câmara, Bittar encontrou-se (virtualmente) com Guedes e na mesa estão as negociações para pagar o Renda Cidadã. Após o veto do uso de programas como o abono do PIS, desejado pela equipe econômica e de precatórios para financiar o Renda Cidadã, como desejava Bittar, a equipe econômica estuda acabar com a declaração simplificada do Imposto de Renda para bancar o programa.

Causou estranheza, porém, a ausência do ministro no papo no Palácio da Alvorada e o chamamento às pressas para a reunião com o senador. Marcada para às 11 horas da manhã, o anúncio público do encontro fora apenas divulgado uma hora antes. Maia e Guedes não se falam desde pelo menos maio, graças aos desgaste envolvendo as reformas e o protagonismo em torno das medidas de combate à Covid-19. A cizânia começou após o presidente da Câmara pressionar o ministro por ações mais assertivas no combate da crise econômica causada pela pandemia de Covid-19. Com recursos escassos, Guedes lançou o que pôde nas primeiras semanas, mas foi por iniciativa de Maia que saíram duas das principais medidas que permitiram uma manutenção da renda: a PEC do Orçamento de Guerra, que flexibilizou as provisões de recursos e permitiu créditos extraordinários, e a elevação do Auxílio Emergencial para 600 reais, frente à proposta original de 200 reais.

Auxiliares do presidente da Câmara dissertaram que a proibição, por parte de Guedes, de que sua equipe conversasse com o presidente da Câmara partiu de uma crise de ciúmes do ministro. Membros do Ministério da Economia argumentam, como o próprio ministro já revelou publicamente, que a orientação para que seus secretários e assessores evitassem o diálogo com o deputado seria para afunilar a articulação em torno da pauta econômica, já que, agora, o ministro Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, e o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), debruçam-se sobre as tratativas. Na avaliação da Economia, o diálogo melhorou com a troca do ex-líder Vitor Hugo (PSL-GO) por Ricardo Barros, considerado mais experiente. A noite promete. Se Maia e Guedes, que podem acumular discordâncias nos detalhes, mas são entusiastas da agenda de reformas, acertarem-se no encontro, o maior beneficiado pode ser o Brasil.

Leia nesta edição: os planos do presidente para o Supremo. E mais: as profundas transformações provocadas no cotidiano pela pandemiaVEJA/VEJA
Continua após a publicidade

- Advertisment -

Mais notícias

Embu das Artes divulga mais de 130 vagas de emprego na região; veja como se candidatar

A Fábrica de Empregos de Embu das Artes divulga esta semana mais de 130 vagas de emprego. Entre as oportunidades, há vagas para motorista...

Prefeitura de Embu das Artes promove Semana de Conciliação para negociação de impostos atrasados

Começou nesta segunda-feira, dia 23, a 11ª Semana Municipal de Conciliação para os contribuintes que estão em débito com a prefeitura de Embu das...

Shopping Taboão tem Black Week com descontos de até 70%

O Shopping Taboão, empreendimento da Aliansce Sonae, maior administradora de shoppings do país, inicia a Black Week – principal semana de ofertas do ano...

Taboão da Serra chega a 300 mortes por coronavírus; a mais nova vítima é uma bebê de 27 dias

Taboão da Serra chegou a 300 mortes por coronavírus nesta segunda-feira, dia 23, após registrar mais um óbito pela doença nas últimas 24 horas....