20.6 C
Taboão da Serra
terça-feira, outubro 20, 2020
Início Política O que Paulo Guedes realmente pensa sobre Rogério Marinho

O que Paulo Guedes realmente pensa sobre Rogério Marinho

No fim do ano passado, o ministro da Economia Paulo Guedes sugeriu a Jair Bolsonaro nomear Rogério Marinho, responsável pelas articulações da reforma da previdência, para o cargo de chefe da Casa Civil. Ex-deputado federal e com bom trânsito no Congresso, Marinho era visto como um candidato ideal para assumir um posto estratégico no Palácio do Planalto. No entanto, o presidente decidiu colocá-lo no Ministério do Desenvolvimento Regional. De lá para cá, Guedes e Marinho se desentenderam sobre as medidas econômicas adotadas durante a crise da pandemia da Covid-19 — e se tornaram adversários declarados.

Em meio à disputa dos dois ministros, Bolsonaro desempenhava um papel de equilibrista: não quer que a roupa suja seja lavada em público, mas, nos bastidores, incentiva a competição. Para provocar o seu Posto Ipiranga, o presidente costuma brincar: “E aí, PG, você ainda quer indicar o Marinho para a Casa Civil?”. Guedes, bem ao seu estilo, costuma dizer que sente saudade de Gustavo Canuto, antecessor de Marinho no ministério do Desenvolvimento Regional e que foi demitido por ter muita proximidade com políticos do Centrão. “Canuto era pivete. Marinho é chefe de gangue”, responde o ministro da Economia, que sempre reforça que só ataca o Marinho pela frente.

Guedes nunca engoliu a tentativa de Marinho de lançar o programa desenvolvimentista Pró-Brasil, que previa destinar 150 bilhões de reais em obras de infraestrutura. A ideia contou inicialmente com o apoio da ala militar do governo. “Marinho é perigosíssimo. Ele é capaz de ferrar com o Brasil todinho”, disse o ministro da Economia recentemente a uma pessoa próxima.

Em outros tempos, brigas como essa poderiam até provocar demissão, seja de um ministro ou de outro. Mas no governo Bolsonaro esse tipo de assunto, agora, é tratado como piada, conforme mostra uma reportagem de VEJA publicada na edição desta semana. Por trás dessa disputa, há uma discussão séria sobre se o Brasil deve gastar mais para sair da crise, tese pregada por Marinho, ou ter maior controle das contas públicas, posição defendida por Guedes. De olho em sua reeleição, o presidente tenta manter um pé em cada canoa — e assim pacificar os conflitos internos da sua equipe.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Mais notícias

Empresa Linnke oferece internet de banda larga para diversos bairros de Taboão da Serra

Diversos bairros de Taboão da Serra sofrem com a falta de estrutura no sistema de Internet Banda Larga, principalmente os mais afastados do centro....

Chuva coloca regiões de SP em estado de atenção para alagamentos pelo 2º dia seguido

Chove forte em várias regiões da cidade, especialmente nas zonas Norte e Oeste. Na segunda-feira (19), alagamentos prejudicaram...

Sessões da Câmara Municipal de Taboão da Serra serão on-line a partir de terça-feira

As sessões ordinárias da Câmara Municipal de Taboão da Serra passam a ser on-line a partir da próxima terça-feira, dia 20. Os trabalhos legislativos...

Linhas intermunicipais de Taboão da Serra e Embu das Artes ganham novas viagens

A EMTU/SP autorizou o aumento da frota e número de viagens em cinco linhas operadas pelo Consórcio Intervias na região sudoeste da Grande São...