19 C
Taboão da Serra
sábado, outubro 24, 2020
Início Economia Auxílio emergencial pode ir até junho de 2021

Auxílio emergencial pode ir até junho de 2021

Já tem algumas semanas que quem se reúne com o ministro da Economia, Paulo Guedes, notou algo diferente em seu discurso. Ao invés de continuar pregando a importância da aprovação das reformas, como a tributária e a administrativa, ele tem adotado um novo lema: “dinheiro na veia“. É a forma de Guedes falar para parlamentares e outros ministros que o importa agora é manter a renda da população por meio de programas assistenciais, como o auxílio emergencial e o Renda Cidadã — o substituto do Bolsa Família. A ordem veio de Jair Bolsonaro.

O presidente não acredita mais haver tempo hábil para votar qualquer reforma este ano e, para não deixar desassistidos 38 milhões de brasileiros, quer uma solução imediata para manter a renda da população. Daí surgem ideias amalucadas, como a utilização de precatórios, cortar abono salarial, entre outras. Agora, sem alternativas, o governo vai tentar estender o auxílio emergencial até março de 2021 — inicialmente. Caso o país não tenha se recolocado nos trilhos do crescimento, pode ir até junho do próximo ano. Bolsonaro deixou extremamente claro para a equipe econômica este ponto: se a renda cair abruptamente, governo continuará amparando o grupo de pessoas que responde pela maior parte de sua popularidade.

O gasto será alto, contudo. Quando o auxílio entregava 600 reais por mês, o custo do programa era de 50 bilhões de reais mensais. Quando o governo estendeu até o fim do ano, com limite de 300 reais, também fechou a torneira dos cadastros, limando algumas pessoas que recebiam anteriormente. Agora, o custo, segundo o Tesouro, é de 67 bilhões de reais entre setembro e dezembro deste ano — 16,75 bilhões de reais mensais. Ou seja, caso vá até junho de 2021 nos moldes dos pagamentos atuais, o governo gastará cerca de 100,5 bilhões de reais para manter o auxílio emergencial.

Atualização 13h30 — Após a publicação, o ministro da Economia, Paulo Guedes, negou que o auxílio emergencial será prorrogado. Ele também disse que o Estado de Calamidade também não será estendido. Ambos se encerram no fim deste ano.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Mais notícias

Suspeito de cometer estupro se suicida em cela da delegacia em Taboão da Serra

Um jovem de 20 anos, suspeito de cometer estupro de vulnerável, foi encontrado morto em uma das celas do 1º Distrito Polical de Taboão...

Taboão da Serra contabiliza 19 novos casos de covid-19 e duas mortes nas últimas 24 horas

Taboão da Serra contabilizou mais duas mortes e 19 novos infectados por covid-19 nas últimas 24 horas. Com isso o número de óbitos pela...

Programa Cidade Legal já beneficiou mais de 2,7 mil famílias de Taboão da Serra

Em mais um evento no Cemur, realizado em pequenos grupos de pessoas e com os protocolos de segurança, a prefeitura de Taboão da Serra...

Bandidos fazem ‘arrastão’ em ônibus em Embu das Artes

Três homens assaltaram um ônibus em Embu das Artes. O crime aconteceu na tarde de quarta-feira, dia 21. Um dos criminosos foi preso. ...