18.9 C
Taboão da Serra
sábado, outubro 24, 2020
Início Política Aprovação do novo ministro do Supremo são favas contadas no Senado

Aprovação do novo ministro do Supremo são favas contadas no Senado

Está na Constituição: para que possa ser nomeado ministro do Supremo Tribunal Federal, exige-se do escolhido pelo presidente da República que tenha mais de 35 anos e menos de 75 anos de idade, notável saber jurídico e reputação ilibada. Ao Senado, caberá sabatiná-lo e aprovar ou não o seu nome.

Como se vê, as exigências são poucas, mas ainda assim relevantes. Notável saber jurídico é o filtro mais severo, ou deveria ser se a sabatina fosse feita com o máximo rigor como é, por exemplo, nos Estados Unidos. Ali também uma pequena mancha na reputação do nomeado pode desqualificá-lo para sempre.

Aqui, dos atuais 11 ministros do Supremo, um foi reprovado duas vezes em concurso para juiz; outro ganhou a toga por ser amigo da mulher do presidente que o indicou; um terceiro contou com a ajuda de uma empresa que lhe abriu as portas dos senadores; e um quarto acrescentou ao currículo um título que nunca teve.

O Senado começou a funcionar em 1826, e o Supremo três anos depois ainda no tempo do Império. Desde então, apenas cinco ministros tiveram seus nomes rejeitados – todos no governo do marechal Floriano Peixoto (1891-94), que sucedeu ao marechal Deodoro da Fonseca, líder do golpe que proclamou a República.

Nada foi revelado até agora que possa tisnar a reputação ilibada de Kássio Nunes Marques, nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro para a vaga do ministro Celso de Mello. Nem mesmo o fato de ele ter empregado sua mulher em gabinetes de senadores desde que trocou o Piauí pelo Distrito Federal, onde é desembargador.

Diante dos precedentes abertos, dele não se cobrará “notável saber jurídico”, o que todo mundo sabe o que é, mas não sabe definir com precisão. E se sabe, não interessa. Só interessa o que os senadores entendam como tal. A mesma coisa vale para “reputação ilibada”, tanto mais em uma Casa de reputações relativas.

O novo ministro já bebeu tubaína com Bolsonaro, o que o próprio presidente revelou como prova da intimidade entre os dois. Na semana passada, acompanhado de Bolsonaro, jantou na casa do ministro Gilmar Mendes. Ontem à noite, comeu pizza, outra vez acompanhado de Bolsonaro, na casa do ministro Dias Toffoli.

De modo que não enfrentará a menor dificuldade para sobreviver com honra à sabatina no Senado e ser bem acolhido por seus futuros colegas no Supremo.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Mais notícias

Suspeito de cometer estupro se suicida em cela da delegacia em Taboão da Serra

Um jovem de 20 anos, suspeito de cometer estupro de vulnerável, foi encontrado morto em uma das celas do 1º Distrito Polical de Taboão...

Taboão da Serra contabiliza 19 novos casos de covid-19 e duas mortes nas últimas 24 horas

Taboão da Serra contabilizou mais duas mortes e 19 novos infectados por covid-19 nas últimas 24 horas. Com isso o número de óbitos pela...

Programa Cidade Legal já beneficiou mais de 2,7 mil famílias de Taboão da Serra

Em mais um evento no Cemur, realizado em pequenos grupos de pessoas e com os protocolos de segurança, a prefeitura de Taboão da Serra...

Bandidos fazem ‘arrastão’ em ônibus em Embu das Artes

Três homens assaltaram um ônibus em Embu das Artes. O crime aconteceu na tarde de quarta-feira, dia 21. Um dos criminosos foi preso. ...